sexta-feira, 29 de abril de 2016

Tempo


o hoje
é teu

depois

é do
amanhã




xavier

Xadrez


na casa do vizinho
o rei flagrou um peão
comendo sua rainha

não deu outra
começou a curtir música brega
e cachaça

entregou o jogo




xavier


segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Faro



tu que não tomas banho
fiques sabendo, meu caro
o amor, coitadinho, é cego
mas sempre teve bom faro




xavier


segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Sem sentido


a vida não tem sentido

esparrama-se
por todos
os lados




xavier

terça-feira, 21 de julho de 2015

Pegadas



estes poeminhas
são pegadas

marcas que deixo
para que 
nos dias de solidão

milagres
possam me encontrar




xavier

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Tinha uma pedra no meio do caminho



dinamitei a pedra
que estava no meio do caminho
e segui viagem
sob a chuva

de fragmentos




xavier

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Solidão


a noite armo-me
com um ramo
de jasmim

entre cicatrizes
vivo em guerra
com a solidão

tua ausência é
e sempre será
um fétido não




xavier